Pokémon GO ganha complexidade com sistema PvP

Combate entre jogadores deve redefinir gerenciamento de itens e Pokémon

A Niantic enfim revelou mais informações sobre o sistema PvP (Jogador versus Jogador) que deve ser inserido no aplicativo em alguma das atualizações deste mês. Com isso, o Pokémon GO vai ganhar uma forma totalmente nova de ser jogado, já que os fãs esperam pelo sistema de batalhas do estilo anunciado há pouco mais de dois anos, assim não limitando os combates para ginásios e reides.

Este estilo de batalha traz diversas novidades: Segundo ataque carregado, Escudo Protetor, Charging Up, substituição de pokémon inefetiva durante 50 segundos do combate, novas formas de adquirir itens raros e até mesmo uma complexidade maior ao analisar escolhas dentro do metagame.

Funcionamento de Batalha

Todas as batalhas serão feitas em equipes de três Pokémon realizadas entre amigos ou inteligência virtual. Para jogar à longa distância, você e o oponente precisam ter amizade em algum dos níveis mais altos. Caso contrário, a batalha só pode ser realizada com ambos no mesmo local, assim como ocorre com o sistema de troca. Se decidir enfrentar a IA, um dos três líderes de times do Pokémon GO será seu adversário, assim possibilitando ao usuário testar composições de trios. Vence aquele que nocautear todo o time adversário. Caso o tempo acabe com nenhum derrotado, o vencedor será decidido por quem tem menos monstrinhos derrubados e maior porcentagem de vida remanescente.

Dentro do confronto, as ações serão realizadas semelhantemente ao que existe hoje no game: ataques rápidos e carregados, assim não utilizando turnos e mantendo a velocidade de luta. Entretanto, não há como se proteger de ataques a não ser por meio do recurso Escudo Protetor, que cada jogador pode usar poucas vezes durante a batalha. Sempre que algum Pokémon preparar o seu ataque carregado, o opositor tem três segundos para decidir se vai usar este tipo de defesa, assim protegendo todo o dano que receberia.

Enquanto um dos jogadores decide se vai defender o ataque carregado do adversário com o Escudo Protetor, o outro utiliza o recurso Charging Up, que consiste em ficar pressionando o botão para aumentar a porcentagem de dano que pode ser causado. Assim, os treinadores precisam decidir qual o melhor momento de usar a proteção especial e como administrar os ataques carregados.

O Terceiro Ataque

Com a introdução das batalhas PvP, o terceiro ataque pode ser adquirido por cada pokémon, desde que o jogador tenha uma quantia específica de Stardust e Candy para isso. Este novo recurso ofensivo, que só pode ser carregado, não será uma cópia de outro que o monstrinho já possui, mas também pode ser modificado aleatoriamente com uma TM. Logo, a forma que você escolhe os movimentos de seus Pokémon torna-se vital na formação de times.

Levando em conta que as partidas são com equipes de três pokémon, cada time possui nove ataques possíveis, assim alternando tipos para poder balancear suas fraquezas e resistências. Isso deve se tornar um diferencial nos monstrinhos que devem se tornar definidores de metagame em cada Liga, já que um leque de opções grande abre mais caminhos estratégicos eficientes.

Como existe a impossibilidade de substituir pokémon na batalha durante 50 segundos depois de fazer esta troca, escolher quando o Escudo Protetor precisa ser usado também estará totalmente vinculado aos possíveis ataques que sua equipe possui, assim conseguindo lidar com fraquezas inesperadas.

Restrição de CP e Banidos

O sistema PvP utiliza a estrutura de três ligas diferentes baseadas nos limites de CP. Great League até 1500, Ultra League 2500 e Master League não possui restrições. Estes formatos são excelentes para fazer com que o metagame não se baseie apenas nos Pokémon mais fortes em ataque e defesa, principalmente nas duas mais restritas.

Estas quantias diferentes deve fazer com que os treinadores deem mais atenção aos pokémon que se enquadram nas duas Ligas com menor CP, assim fazendo com que alguns monstrinhos normalmente deixados de lado ganhem mais relevância no metagame de cada formato.

Entretanto, estas não são as únicas restrições. Shedinja, por causa de sua ineficiência de combate, e Ditto, devido à possibilidade de fazer um time apenas dele, são banidos de todas as ligas. A decisão é coerente e correta, já que um não tem serventia e o outro só traria uma estratégia péssima ao que as batalhas propõem.

Apesar disso, o banimento dos dois pokémon talvez seja pouco para manter um metagame saudável. Muitos monstrinhos devem se tornar extremamente dominantes, principalmente os míticos ou lendários. Uma das possíveis restrições deveria ser a limitação de apenas um destes por time, assim faria com que cada treinador não aposte apenas em valores de combate.

Recompensas e gerenciamento de itens

Enquanto hoje em dia itens regenerativos não são tão fundamentais para todos os jogadores, assim sendo mais eficientes aos que jogam diversas reides, a inclusão do sistema PvP fará com que poções e revives sejam mais consumidos. Por isso, até mesmo quem ficar em casa enfrentando a IA deverá ter uma quantia grande de curativos para manter suas equipes com HP 100%.

Atualização 05/12 12:55 – O jornalista da IGN Andrew Goldfarb, que teve a possibilidade de jogar o sistema PvP, confirmou que todos os pokémon são curados logo após a batalha.

Ao mesmo tempo, as batalhas geram recompensas aos jogadores, então alguns destes itens regenerativos devem ser adquiridos para manter os treinadores usando as batalhas durante bastante tempo. Também há a possibilidade das pedras de evolução serem encontradas, principalmente a Sinnoh Stone, que é o recurso mais procurado agora.

Mesmo que a Niantic ainda esteja apenas começando com o sistema PvP no Pokémon GO, as mudanças que ele traz no gerenciamento de itens, pokémon, estratégia e até mesmo nas análises de combate são gigantescas, principalmente quando os criadores de conteúdo usarem vídeos deles se enfrentando para justificar suas opções de batalha. Ainda deve demorar bastante tempo para que a empresa crie uma competição dentro do próprio aplicativo, mas a própria organização dos treinadores pode gerar torneios interessantes dentro de suas comunidades regionais, assim criando crescimento de relação social e qualitativa, algo que o jogo já possui desde sua origem.

COMENTÁRIOS

Durante pesquisa e produção de textos, é encontrado com a alcunha de Lazyguga em partidas de Overwatch, Clash Royale e MTG Arena ou conquistando ginásios no Pokémon GO.