Hearthstone e MTG Arena são os alicerces do gênero atualmente

Os card games digitais não param de crescer como um gênero de estratégia. Se antigamente eles eram apenas um produto de papel para público acostumado a encontros presenciais, seja entre amigos ou participantes competitivos, hoje existe um grande leque de possibilidades desta temática no ambiente virtual. Hearthstone e MTG Arena são os mais populares da atualidade, mas concorrentes continuam a surgir. Legends of Runeterra, criado pela Riot Games, teve acessos antecipados e já surpreendeu o público pela qualidade apresentada. Entretanto, alguns jogos na estilo também sucumbem pelas escolhas questionáveis dos criadores, como o Artifact.

Artifact é o maior fracasso entre os card games virtuais

Blizzard encontra solução provisória para o Hearthstone

O ano de 2019 está bem longe de ser memorável para a Blizzard. Ela criou problemas para si de formas diferentes e o Hearthstone foi um dos principais afetados. Além da dificuldade de inserir novidades impactantes no spin off de Warcraft, a polêmica com o ato político do jogador Blitzchung só fez com que os holofotes fossem voltados para a empresa por causa da repercussão negativa que havia sido criada. 

Entretanto, assim como todos os card games, o metagame costuma se tornar problemático conforme algumas estratégias se tornam dominantes. Evolve Shaman é o deck mais influente do momento, algo que tende a diminuir com o lançamento da expansão Descent of Dragons. Competitivamente, o jogo se tornou maior com seus qualificatórios bem realizados pelo Battlefy, assim dando acesso mais abrangente aos jogadores participarem de grandes torneios, mas encontrou desgaste no formato Specialist – que foi descontinuado rapidamente, assim retornado a uma estrutura próxima ao antigo Conquest. 

Apesar disso, os desenvolvedores conseguiram modificar o que se esperava dos últimos meses de Hearthstone em 2019 ao introduzir o Battlegrounds, formato de auto battler com base em status e habilidades das cartas. O sucesso que a novidade tem feito surpreende até mesmo quem é acostumado a jogar a ladder do card game com afinco todos os meses. Contudo, é difícil de imaginar quanto tempo essa novidade se mantém atrativa ao público e principalmente um recurso monetário eficiente para a empresa.

Atualizações questionáveis, mas sonhos vívidos no MTG Arena 

MTG Arena se popularizou como plataforma mais evoluída digitalmente do card game da Wizards of the Coast. Anteriormente, o Magic Online era a melhor ferramenta para quem desejava competir no cenário do jogo, mas os vários problemas do serviço e seu visual desagradável sempre foram empecilhos para torná-la atrativa ao grande público. Entretanto, ele ainda é bem quisto pela coleção vasta que possui, sistema de trocas efetivo e qualificatórios de enorme importância. 

Porém, nada torna o MTG Arena mais atrativo, para quem sonha em participar de um torneio de suma importância, do que os qualificatórios para o Mythic Championship. Sem estes torneios, a plataforma perderia muita relevância para os jogadores que sonham em se tornar profissionais. Personalidades de renome da comunidade, como Cifka e Ondrej, conseguiram suas vagas através desse processo. O argentino Levunga também entra nesse caso, algo que foi fundamental para levá-lo até o título daquela competição, mesmo que ele fosse mais popular apenas na Argentina. Essa luta acessível para o sonho de todo jogador competitivo é algo fundamental, mesmo que o próprio sistema organizacional usado pela Wizards of the Coast não seja o ideal ainda.

Top 8 do Mythic Championship VII

Leia: Entrevista com Wiily Edel, CEO da Bazar Gaming

Apesar desse acerto em criar um sistema qualificatório que tem sido efetivo, o MTG Arena ainda está muito longe de se tornar um primor. As atualizações nem sempre trazem melhorias realmente importantes, como cosméticos esteticamente questionáveis, alguns problemas de funcionamento dentro das partidas causam incômodo imediato, atraso na lista de amigos outrora prometida, etc. Além disso, o Histórico tende a ser um fracasso pela forma que ele recebe atenção da empresa ou simplesmente porque criaram o Pioneer, formato que não chegou a esta plataforma digital, mas está disponível no MOL. 

Card games novos, de nicho ou colocados no cemitério

Apesar do sucesso dos card games como gênero de estratégia, alguns jogos do formato são bastante nichados. Eternal, Teppen, Gwent e Pokémon TCG Online conseguem atrair pequenos públicos, mas não se tornam grandes exemplos do segmento. Em compensação, eles também não chegam perto do fracasso que Artifact se tornou. O jogo da Valve foi lançado em novembro de 2018, nunca atingiu um número grande de jogadores, perdeu essa base e agora deve sofrer muto para retornar e ganhar interesse dos jogadores, assim mostrando como o péssimo planejamento da desenvolvedora foi fundamental para o desastre – principalmente por causa do fator econômico in-game.

Enquanto isso, Legends of Runeterra tem sido desenvolvido pela Riot Games e deve se tornar um dos grandes lançamentos de 2020. O jogo pega vários elementos de vários card games e molda tais mecânicas para o universo do popular League of Legends. Os dois acessos antecipados já chamaram bastante atenção pela qualidade de jogabilidade e fluidez da plataforma. Entretanto, um dos maiores diferenciais deve ser a economia, algo que sempre é um obstáculo muito grande para novatos investirem nos jogos do gênero.

Sistema de recompensa regional do Legends of Runeterra

Os card games se expandiram para o aspecto digital com muita lentidão, algo que até hoje torna até mesmo os mais populares em esportes eletrônicos de visibilidade pequena – mesmo que Hearthstone e MTG Arena já tenham melhorado muito este aspecto do produto através dos grandes torneios. Entretanto, o gênero não é tão convidativo por causa de gastos para se manter atualizado ou pela dificuldade de algumas regras. Legends of Runeterra pode ser o que vai mudar esse estigma, principalmente pelo fator de economia interna mais acessível ao grande público. Entretanto, todos eles precisam aprimorar aspectos internos básicos, tanto para quem é focado no casual ou competitivo, caso contrário nunca chegarão perto do real potencial que possuem.

Durante pesquisa e produção de textos, é encontrado com a alcunha de Lazyguga em partidas de Overwatch, Clash Royale e MTG Arena ou conquistando ginásios no Pokémon GO.