Jogador Número 1: Um Filme para Gamers

Você que leu o livro Jogador Número 01 (ou Ready Player Number 1), não espere os mesmos detalhes no novo filme de Spielberg. A primeira obra do escritor Ernest Cline é um best-seller internacional, tem muito mais detalhes, peso emocional e, sim, momentos muito diferentes do filme.

Mas, depois de um monte de adaptações para o cinema, todo mundo já está acostumado com isso, não é?

Pois o filme é bom. Muito bom, aliás.

[ Dica: quando você não se importa se “o filme é muito diferente do livro” você será muito feliz no cinema ]

Foto: Divulgação

Distopia realista

Em uma futuro próximo, após o colapso da civilização humana, há um lugar para ser feliz. O OASIS, universo digital criado por James Halliday, é o lugar onde você pode ser quem quiser e vivenciar a aventura que quiser.

O enredo conta a história de Parzival, um jogador adolescente que vive em busca do tesouro secreto do falecido James Halliday, escondido em algum lugar do universo que ele mesmo criou. Este tesouro é o próprio OASIS e a fortuna de Halliday, de meio trilhão de dólares.

Se a ficção apresenta uma grande aventura para Parzival, cheia de bons e maus elementos, a visão de futuro do criador Ernest Cline se sustenta.

  • Um mundo onde estamos acabando com os recursos da terra? Confere.
  • Desigualdade social em empresas de tecnologia monopolizando recursos? Confere.
  • Uma fuga da realidade para universo virtual onde podemos ser outra pessoa? Confere.

O filme/livro é uma aventura, mas apresenta uma distopia bem realista para os próximos passos da humanidade.

Foto: Pinterest

O filme é bom, apesar de ser uma obra livre! [ Spoilers Free ]

O filme é bom justamente porque tem identidade e não se preocupa em imitar o livro.

As personagens são as mesmas, mas por exemplo, no filme as pistas para o tesouro do OASIS – os chamados Easter Eggs – estão escondidos em lugares diferentes do livro.

A linha histórica também é um pouco diferente e dá ainda mais ênfase à personagem Art3mis, uma caçadora de ovos, assim como Parzival.

Aech, Daito e Shoto também estão bem caracterizados, assim como o vilão Sorrento, comandante da IOI, empresa que investe pesado para encontrar o tesouro da Halliday para dominar o OASIS e assim dominar o mundo.

As diferenças aparecem também na trama, como por exemplo na maneira que Parzival e Art3mis se conhecem.

Foto: Divulgação

Jogos clássicos

Incontáveis são as referências aos jogos clássicos.

Dentre sutilezas no discurso á homenagens grandiosas, as obras são construídas para concentrar grande quantidade de ícones e memória dos jogos.

Para os mais jovens, muito aprendizado sobre os primórdios do entretenimento digital. Para os que passaram dos 30 e tiveram seu Atari, ou frequentavam diariamente o fliperama, é difícil não se emocionar.

Dentre as mais claras referências aos games clássicos – Street Fighter, Prince of Persia, Tomb Raider, Atari 2600, Battletoads, Centípede, Pitfall, Swordquest, Adventure, Duke Nukem, Joust, Space Invader, Asteroids e PAC Man – são alguns deles, você com certeza vai achar aquele que marcou sua vida.

Uma Ode aos anos 80s

Ernest Cline não esconde que, mesmo tendo um caráter futurista, Jogador Número #1 é na verdade uma grande homenagem à cultura pop dos Anos 80.

Esse choque de gerações é interessante. Durante a caça aos Easter Eggs escondidos no jogo, os personagens que vivem em 2044 tem contato atemporal com ícones populares de 60 décadas atrás. Na busca por pistas, eles assistem todas as séries, filmes e escutam toda a trilha sonora de uma geração “antiga” que viveu os 80s.

Você volta no tempo, com clássicos da Sessão da Tarde. Vivendo a Vida Adoidado, Clube dos Cinco, De Volta para o Futuro e Star Wars são referências primordiais, assim como a trilha sonora do filme de Spielberg, com A-HA, Joan Jett, Van Halen, Tears For Fears, Bee Gees e a favorita de James Halliday – Rush.

Jogador Número 1 é um Filme imperdível. E um livro muito imperdível.

 

Iniciante? Veja aqui um dicionário básico de MOBA!

Publicitário, cientista do consumo e especialista do universo digital. É diretor geral e um dos idealizadores do Portal e-Arena, com muito orgulho.