Nostalgia noventista no mobile com Saint Seiya e KOF All Star

Jogos usam história conhecida pelos fãs como elemento narrativo

Saint Seiya: Awakening e The King of Fighters All Star são os mais novos exemplos de jogos mobile baseados em franquias de sucesso dos anos 90 para conquistar o público, principalmente com um grande apelo de nostalgia dentro da narrativa. Ambos os games reproduzem histórias clássicas e até mesmo trilhas sonoras para recriar memórias afetivas desses universos e assim manter os jogadores com jogatinas diárias.

A nostalgia é um elemento bastante importante para várias desenvolvedoras conquistarem público com jogos modelados para mobile. O exemplo mais relevante disso é Pokémon GO, que foi lançado com pouquíssimos recursos, mas que se tornou um fenômeno por ter a primeira geração dos monstrinhos e possui uma jogabilidade incomum. Recentemente, Mario Kart Tour também conseguiu ter sua versão aos smartphones com tudo que se espera para estes jogos de corrida, seja em visual ou com todos os recursos sonoros para manter os elementos clássicos.

KOF All Star aposta em estilos clássicos

The King of Fighters All Star traz para o holofote um estilo que ficou longe da popularidade durante muito tempo: Beat’em Up – gênero que consolidou franquias como Double Dragon, Final Fight e Streets of Rage. Ao trabalhar com esse elemento de jogabilidade, o jogador navega pelas tramas dos games da franquia, desde o KOF 94, quando Rugal é o grande vilão, até a edição de 99, com K’ no papel de protagonista. Entretanto, também é esperado que os jogos seguintes sejam inseridos posteriormente pela desenvolvedora Netmarble.

Leia: 25 anos de The King of Fighters, a franquia que dominou os fliperamas

O jogador pode montar uma equipe com até seis personagens: três jogáveis durante aquela fase e o Striker de cada um deles. O mesmo lutador possui variações conforme a edição anual do game que ele representa, além de modelos especiais com skins comemorativas ou fazendo referência a algum momento específico da sua história, como o Iori Orochi. Além disso, é possível usar a árvore de habilidades para melhorar técnicas de combate do lutador, aumentar seu nível com a experiência adquirida e gerar bônus de status por criar times com afinidade.

A essência do anime em Saint Seiya

Saint Seiya: Awakening transborda nostalgia antes mesmo de entrar no menu principal. O motivo disso é bastante simples: Pegasus Fantasy, canção de abertura original do anime, entoa a memória latente de dias mais simples para quem foi criança nos anos 90. Esse elemento nostálgico se mantém na narrativa conforme o jogador precisa fazer as missões do PvE, assim seguindo a trama da franquia pelas principais sagas. 

Em jogabilidade, ele é ainda mais complexo que o KOF All Star em recursos disponíveis para o jogador adquirir e maximizar seu time de cavaleiros. Sua jogabilidade é baseada em RPG de turnos, criando uma dinâmica muito mais focada em construção de estratégias que façam tais personagens agirem com sinergia e maximização de níveis. Por exemplo, Camus e Hyoga são excelentes juntos por causa da possibilidade de congelar os alvos dos ataques deles – além de ser empolgante ver mestre e aprendiz lutando lado-a-lado. 

Saint Seiya: Awakening e The King of Fighters All Star possuem características narrativas de anime e games, mas que divergem em jogabilidade durante a ação. Se o usuário não é tão focado em jogos que necessitam de dedicação e que chegam a causar confusão inicial até o usuário se adequar a tudo possível, ele pode se manter interessado naquilo pelo apego nostálgico que possui com aquela franquia que o acompanhou durante infância ou adolescência.

Durante pesquisa e produção de textos, é encontrado com a alcunha de Lazyguga em partidas de Overwatch, Clash Royale e MTG Arena ou conquistando ginásios no Pokémon GO.