PV coloca o Brasil de novo no topo ao vencer mundial de MTG

Paulo Vitor Damo da Rosa é considerado um dos maiores da história do card game

Paulo Vitor Damo da Rosa, mais conhecido como PV pela comunidade brasileira de Magic the Gathering, ganhou nesse fim de semana o World Championship realizado em Honolulu, no Havaí. Com isso, o jogador da Tempo Storm conquistou um dos poucos títulos que faltava em sua vasta carreira e ainda saiu da competição com 300 mil dólares de premiação. Além disso, ele será homenageado em uma das cartas das próximas coleções – ritual que voltou a ser feito no ano passado com o espanhol Javier Dominguez.

PV tem sido considerado por muitos como o maior jogador de Magic the Gathering da história nos últimos anos, assim sendo colocado no mesmo patamar que Kai Budde e Jon Finkel – que marcaram seus nomes na história do card game, mas que não competem atualmente, exceto quando são convidados. O jogador brasileiro já é o competidor com mais dinheiro conquistado em premiação, mostrando como sua consistência durante tantos anos têm sido recompensadora. Para tornar o feito ainda maior, a decisão foi contra o português Márcio Carvalho, que é considerado como o maior especialista de formato limitado da atualidade.

Azorius Control utilizado pelo PV no World Championship

O World Championship foi realizado em Honolulu com os melhores jogadores da temporada de 2019. Eles foram selecionados pela pontuação que atingiram durante a temporada daquele ano ou através de títulos nos Mythic Championships – seja pelo MTG Arena ou tabletop.  Além do formato Standard, os jogadores também participaram de partidas de draft durante o primeiro dia do torneio – algo que foi bastante solicitado pela comunidade do card game.

O primeiro mundial no MTG Arena

PV é o primeiro campeão mundial de Magic the Gathering que conquistou o título através da plataforma digital, mostrando que conseguiu se adaptar rapidamente ao funcionamento do jogo nessa nova forma de jogá-lo. A Wizards of the Coast tem investido cada vez mais para melhorar o funcionamento dela e já caminha para um lançamento do Arena para o mobile, segundo rumores. 

Além da plataforma estar caminhando devagar rumo ao patamar que o card game merece, a Wizards of the Coast tem acertado bastante na transmissão dos seus grandes eventos desde o Mythic Invitational do ano passado. A equipe de casters tem sido bastante eficiente em narrar jogadas, explicar conceitos, entrevistar os jogadores e criar um ambiente de entretenimento, seja para promover seus atletas profissionais ou divertir os telespectadores com situações inusitadas.

Leia mais: Entrevista – Willy Edel, CEO da Bazar Gaming

Mesmo com tantos acertos, o Mundial de Magic the Gathering do próximo ano precisa modificar o modelo utilizado para os confrontos eliminatórios. Além de não ser facilmente compreensível, as disputas do último dia se tornam extremamente cansativas aos jogadores pelo grande número de jogos.

PV recolocou o Brasil no topo do Magic the Gathering 18 anos depois de Carlos Romão ter conquistado seu título para o país. Com isso, fica o questionamento se o jogador já deve ser considerado o maior da história do jogo, seja pela sua consistência de bons resultados ou pelo tanto que ganhou de premiação ao longo da carreira. Ao mesmo tempo, quando a Wizards of the Coast vai começar a investir com mais eficiência na América do Sul, principalmente quando o local sofre por cortes de grandes eventos anuais? A região tem atletas de alta performance nos principais campeonatos e muitos outros que conseguiriam ascensão ao circuito profissional se não existisse um número tão baixo de campeonatos pelo continente.

Durante pesquisa e produção de textos, é encontrado com a alcunha de Lazyguga em partidas de Overwatch, Clash Royale e MTG Arena ou conquistando ginásios no Pokémon GO.