Serviço de assinatura é o futuro da indústria dos jogos

Apple também entraria nesse tipo de mercado

Grandes empresas da indústria dos jogos já perceberam o sucesso que serviços de assinatura de games trazem para o mercado. A Microsoft foi a pioneira em relação a isso com o XBox Game Pass, assim dando uma vantagem grandiosa ao seu console com um recurso que parecia exclusivo para série e filmes, como oferecido pela Netflix. Agora, já é possível enxergar as concorrentes modificando seus planos para ter o mesmo estilo de produto.

Recentemente, um rumor, citado por várias fontes ao site Cheddar, indica que a Apple estaria prestes a investir no seu serviço de assinatura de jogos, assim entrando com força no mercado de games. A empresa acredita que a potência de seus aparelhos, como o iPad Pro, pode ser equiparado ao de um console da atual geração, o que facilitaria a aceitação do novo segmento. Ao mesmo tempo, isso demonstra como os jogos têm sido cada vez mais atrativos para o grande público, fazendo com que companhias diferentes tentem criar modelos lucrativos para este tipo de entretenimento.

O surgimento desse tipo de notícia envolvendo a Apple acompanha rumores de que a próxima geração de consoles também utilize o serviço de assinatura como modelo padrão, assim alterando completamente o mercado. Com isso, as mídias físicas se tornariam desnecessárias, o que daria a elas o status de item colecionável. Este fator também afetaria grandes lojas de vídeo game ao redor do mundo, como a Gamestop, que veria a maioria dos produtos que vende perder significância ao ver uma valorização ainda maior da aquisição digital dos jogos.

O investimento da Microsoft no Game Pass durante a geração do XBox One fez com que a empresa não tivesse tantos jogos exclusivos que convencessem o público de que seu console era o melhor no mercado, principalmente depois de uma E3 fraca, mas, ao mesmo tempo, consolidou um serviço que as concorrentes não estavam preparadas. Hoje, qualquer usuário do vídeo game pode pagar 29 reais por mês para ter um grande catálogo de jogos à disposição.

Phi Spencer, chefe da divisão XBox, na E3

Caso o serviço de assinatura de jogos torne-se padrão entre as grandes empresas da indústria, o grande diferencial será a forma que elas vão dar vantagens aos consumidores. Investimento em cross-play é uma das prioridades da atualidade, principalmente com games de sucesso, como Fortnite, sendo compatíveis em tantos tipos diferentes de plataforma. Outro diferencial serão os exclusivos, assim como ocorre com a concorrência de Netflix, Amazon Prime Video e Hulu. Quem possuir contratos com os estúdios que desenvolvem franquias de sucesso vai estar um passo à frente, principalmente se a marca já for consolidada.

O crescimento desse tipo de prática na indústria acompanha a evolução de concorrentes da Steam no PC. A Epic Games criou recentemente sua própria loja, que funciona como uma vitrine repleta de jogos que podem ser adquiridos exclusivamente, de forma gratuita ou não, assim aumentando o número de possibilidades ao consumidor, principalmente quando a Valve tem sido questionada sobre alguns produtos que aparecem disponíveis para a compra.

A indústria dos jogos tem passado por mudanças em seu mercado tanto pelo aprimoramento tecnológico, por causa da aproximação da renovação de geração dos consoles, quanto pela forma que as empresas desenvolvem formas de consumo para o público. Enquanto outrora jogos free-to-play eram incabíveis, hoje são dominantes, ainda mais com a efetividade financeira gerada pelas microtransações. O serviço de assinatura já é uma realidade, ainda mais por causa do sucesso da Microsoft com o Game Pass, e deve ganhar ainda mais espaço se Sony e Apple investirem neste segmento.

Durante pesquisa e produção de textos, é encontrado com a alcunha de Lazyguga em partidas de Overwatch, Clash Royale e MTG Arena ou conquistando ginásios no Pokémon GO.