The Game Awards reverencia futuro e escanteia o presente

Celebração virou uma grande reunião de revelações da indústria

The Game Awards recebeu a alcunha de “O Oscar dos games”, mesmo que nunca tivesse a ideia de se associar ao tipo de celebração que é feita pela Academia de Cinema. Entretanto, essa era a forma mais simples de exemplificar qual era a funcionalidade do evento. Contudo, cada vez mais o evento que deveria reverenciar o brilhantismo atual dos profissionais da indústria se torna um palco para teasers de lançamentos. 

Publicidade de Apex foi realizada ao vivo com performance de captura de movimentos

Mesmo que o evento possua um grande número de categorias para reverenciar os profissionais envolvidos, a direção do The Game Awards prefere trocar esse tempo saudando os feitos dos desenvolvedores com anúncios. Obviamente, isso é um mal necessário para algo dessa magnitude, mas que poderia ser melhor gerenciado. Um exemplo disso seriam vídeos curtos dos concorrentes de cada categoria, principalmente destacando àquilo que os tornam merecedores daquela disputa. Isso deixaria claro os méritos de cada participante e daria uma explicação sucinta do tópico em disputa.

Ao dar tanta ênfase nos lançamentos, o The Game Awards consegue a grana para financiar o evento, mas ao mesmo tempo o torna outro tipo de celebração. Não o dos profissionais, mas sim do mercado, principalmente quando projetos gigantescos ganham destaque e assim colocam de lado até mesmo grandes vencedores daquela noite. Por exemplo, Disco Elysium merecia ser mais ressaltado pelos prêmios recebidos, principalmente por ser uma surpresa de 2019 e ter origem na Estônia, mas acaba soterrado pelo hype que é criado por dias futuros.

O Impacto do The Game Awards 2019

Surpreendentemente, o The Game Awards foi o palco de revelação do próximo console da Microsoft, o Xbox Series X. A presença de Phil Spencer para anunciar o projeto tão aguardado da empresa ainda teve o teaser espetacular de Senua’s Saga: Hellblade 2, que deve ser um dos principais títulos do início da geração da empresa – junto ao Halo Infinite. Enquanto isso, a Sony não dá demonstrações contundentes do Playstation 5, mas já vê Godfall, Looter-Slasher desenvolvido pela Counterplay Games, como seu primeiro jogo confirmado. Mesmo que não exista muito para argumentar sobre esse projeto, ele parece ter os moldes de Destiny, mas com combate de curta distância.

O The Game Awards 2019 teve várias categorias equilibradas com ótimos vencedores. Devil May Cry 5, Disco Elysium, Death Stranding, Sekiro, Beat Saber, etc, mas a discussão sobre a vitórias deles acaba fragmentada pela emoção do que é anunciado, assim atropelando o momento de reconhecimento daqueles que tanto acertaram. Com isso, o debate sobre os concorrentes torna-se apenas mais comum antes da festividade e quando a edição seguinte se aproxima, criando um fluxo cíclico de interesse pelo que a celebração deveria ser e hype mercadológico por aquilo que apresenta. É uma grande propaganda e isso fica ainda mais evidente quando a presença do Green Day na festividade é para promover DLC.

Durante pesquisa e produção de textos, é encontrado com a alcunha de Lazyguga em partidas de Overwatch, Clash Royale e MTG Arena ou conquistando ginásios no Pokémon GO.