Velha guarda invade o mundo dos games

Você achava que jogar videogame é coisa só de jovem? Pois não é mais!

Os games estão diversificando seu público cada dia mais. O número de pessoas de gerações mais antigas jogando – que nem nasceram com os games – só aumenta. E tem espaço pra todo mundo nessa, afinal, nosso mercado já roda quase 700 milhões de reais por ano, segundo o estudo da Newzoo.

velha guarda arrebentando no Fortnite

Segundo pesquisa da Entertainement Software Association (ESA), 25% dos homens entre 55 e 64 anos jogam algum game. E dois terços destes preferem os PCs.  Para as mulheres nessa faixa etária o número é um pouco menor: 22%. Neste caso, quase 60% prefere o celular como plataforma principal.

Velha guarda botando pra quebrar (ou pra jogar)

Uma das histórias mais legais deste universo de vovôs que jogam é do canal Grampa Gaming no Twitch. Este canal, com mais de 200 mil seguidores, quase teve seu fim por conta de um ataque cardíaco do dono. Mas ele já está de volta! \o/ – a preferência do sênior de 66 anos (ainda beirando a terceira idade, vai…) é por jogos de tiro como PlayerUnknown’s Battlegrounds.

Em outro caso, que escolheu o Youtube para comentar seus avanços nos games é da Sra. Shirley Curry, 83 anos e mestra em RPG, especialmente para The Elder Scrolls. A Sra. Shirley possui mais de 700 mil seguidores na rede e mostra que a velha guarda dos games também pode ser uma influenciadora digital.

Em entrevista para a CBS News, Shirley conta que encoraja seus amigos a jogarem também. “Algumas pessoas disseram que se sentiam muito velhos para jogar. Eu os encorajei e a as respostas foram “Obrigado por ajudar a me abrir para os games”.

É pela diversão e pela saúde

Mas a velha guarda não apenas joga para ser celebridade da internet. Joga pela diversão.

É o caso da Sra. Audrey Buchanam, de Berlim, que tem 88 anos e mais de 3 mil horas no jogo Animal Crossing, em Nintendo DS. “Tento jogar todos os dias para não desapontar meus animais”, diz Audrey entre risadas, ao se referir ao tema do jogo. “Enquanto eu puder, continuarei jogando”.

Sra Audrey joga em casa, no relax

Os games trazem incontáveis benefícios cognitivos e impactos positivos para adultos mais velhos. Os desafios criados fazem o cérebro trabalhar mais forte e impedem o avanço de doenças como Alzheimer e demência. É o novo sudoku, ou as novas palavras-cruzadas.

Um mercado promissor

A idade média do player atualmente é de 33 anos, mas este cenário deve mudar.

Vovô gamer faz transmissão pro Twitch

A população mundial – e no Brasil não é diferente – está envelhecendo.

Os jogos favoritos da geração 55+ na atualidade – ainda segundo estudo da ESA – são os de cartas, cassino e quebra-cabeças. Mas este cenário vai mudar. Os idosos de amanhã cresceram jogando League of Legends, Fortnite ou Mortal Kombat. Vem aí os campeonatos sênior de eSports.

Games são maneiras de se manter ativo, criar novas conexões. E são para todas as gerações!

E você, conhece algum vovô gamer? Conta pra gente!

Enquanto isso, curta os 12 consoles mais raros e caros da história dos games.

Publicitário, cientista do consumo e especialista do universo digital. É diretor geral e um dos idealizadores do Portal e-Arena, com muito orgulho.