War of the Spark é o ápice do design de Magic the Gathering

Coleção amplia lore com confronto épico de planeswalkers

War of the Spark, Guerra das Centelhas em português, é a mais nova coleção do clássico card game Magic the Gathering, mas o que tanto chama atenção para as novas cartas é o design que a Wizards of the Coast adotou ao dar tanta ênfase aos planeswalkers. O conceito tão centralizado nesses personagens visa o desfecho de uma trama importante para o lore da franquia trabalhada há muito tempo, assim criando uma combinação funcional entre a história que permeia os protagonistas do Multiverso e a jogabilidade que impactará o campo de batalha.

Como dito anteriormente pelo Diretor de Design do card game Mark Rosewater, War of the Spark é a coleção mais ambiciosa já criada para o MTG por criar 36 cartas de planeswalkers, assim obrigando que alguns deles fossem mudados para raridades inferiores, como incomum. Para quem não acompanhou o surgimento do design desses tipos de personagens em Lorwyn, quando eles eram raros, vê-los como míticos era uma constante, algo que foge completamente do que acontece na nova expansão. A relevância de Guerra das Centelhas foi realçada pelo seu trailer épico de divulgação revelando durante o Mythic Championship, mostrando que a empresa não estava poupando recursos para enaltecer o que estava por vir.

Um dos principais motivos disso é a relevância de ter todos eles na principal guerra envolvendo os planeswalkers, assim precisando trazer tantos personagens conhecidos do público para o centro do confronto e até apresentar rostos novos que despertam várias teorias aos fãs. Ao mesmo tempo, os desenvolvedores precisam ser coerentes com características básicas e dar a eles poder relacionado à raridade, caso contrário isso vira um problema maior a longo prazo para os jogadores.

Planeswalkers de Guerra das Centelhas

Mesmo que o lore do MTG sempre esteja presente nas coleções através de artes, habilidades e textos de contextualização, War of the Spark recebeu um cuidado totalmente diferente ao estabelecer pontos importantes do que acontece na trama quando Nicol Bolas faz seu ataque definitivo à Ravnica para derrotar os planinautas que se opõem a ele e como cada um envolvido nesse conflito é afetado. Isso fica ainda mais nítido em pontos de virada da trama, momentos trágicos e reação coerente aos aspectos de cada guilda desse plano – mas sem perder a essência da funcionalidade que cada carta precisa ter para existir dentro daquele contexto.

Para fazer com que a história por trás de War of the Spark fosse desenvolvida através de uma narrativa atrativa, a Wizards of the Coast modificou alguns padrões que estavam a atrapalhando a publicidade nas coleções anteriores. O primeiro deles foi o uso efetivo dos vídeos de divulgação, seja o teaser inicial com os vitrais dos planeswalkers ou o trailer oficial, assim gerando o hype necessário para a grandiosidade que a trama retrata. Apesar disso, nada foi mais fundamental do que evitar grandes vazamentos que dessem detalhes do que aconteceria após a investida de Nicol Bolas.

A medida tomada pela Wizards of the Coast foi a divulgação individual de cada carta, principalmente pelos criadores de conteúdo do card game. Além de gerar um senso de comunidade mais efetivo para tentar evitar a publicação de imagens vazadas, este tipo de abordagem também é importante para mostrar vários estilos diferentes de pessoas que gostam do jogo através do mundo. Por exemplo, a Nissa Cosplay foi a responsável pela revelação da carta da personagem que ela costuma se fantasiar, enquanto a sede espanhola da empresa investiu em aspectos culturais latinos ao divulgar o Huatli’s Raptor. Essa reunião de diversidade, que faz jus ao nome do jogo, engrandece o próprio produto.

Até mesmo os personagens pequenos possuem seu arco narrativo

War of the Spark chega ao MTG Arena amanhã, mas já é possível ver conteúdo pelas redes sociais ou Twitch daqueles que receberam acesso prévio pela Wizards of the Coast. A coleção é um marco importante de como a empresa desenvolve e divulga seus produtos, principalmente agora que é um nome em ascensão no cenário dos esports para a Hasbro, o que deve gerar ainda mais visibilidade e recursos ao card game em âmbito digital. O jogo atingiu um novo patamar e isso é um ótimo agouro aos fãs.

Durante pesquisa e produção de textos, é encontrado com a alcunha de Lazyguga em partidas de Overwatch, Clash Royale e MTG Arena ou conquistando ginásios no Pokémon GO.